quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Agência Lusa - Lusitano de Évora atingiu «o céu e o inferno» em 100 anos

A fundação do clube remota a 11 de novembro de 1911, quando um grupo de estudantes e empregados do comércio da cidade começou a praticar futebol com o nome de Lusitano Futebol Clube, disse à agência Lusa o atual presidente do emblema alentejano, Manuel Porta.

Nos primeiros três anos de vida do clube, os futebolistas “verde e brancos” jogavam em espaços emprestados, até que, em 1914, a então direção comprou um terreno na periferia da cidade, onde viria a ser construído o Campo Estrela.

Mais tarde, em 1925, os sócios decidiam alterar o nome do clube, passando a designar-se Lusitano Ginásio Clube, já que despontavam novas modalidades, como a ginástica, o basquetebol e a esgrima.

Os pontos mais altos da história do Lusitano de Évora começaram a ser escritos na época futebolística de 1952/1953, quando a equipa sénior da formação alentejana ascendeu à primeira divisão nacional.

Nas 14 temporadas seguintes, os “verde e brancos” permaneceram no escalão máximo do futebol português e atingiram uma meia-final da Taça de Portugal, alcançando a melhor classificação na época de 1956/1957, quando conquistaram um quinto lugar.

Mas, foi na época de 1957/1958 que o Lusitano de Évora conseguiu um dos melhores resultados de sempre, ao derrotar em casa o Benfica, por 4-0, com uma grande exibição do hondurenho José Cardona, que, mais tarde, se notabilizou ao serviço do Atlético de Madrid (Espanha).

Com a descida à segunda divisão, na temporada de 1965/1966, o Lusitano de Évora atravessou uma das piores crises da sua história, por dificuldades financeiras, tendo sido criada uma comissão para a angariação de fundos que permitiu salvar o clube.

No entanto, a partir daí, o clube entrou em declínio, ao ponto de, na década de 90, vender a sua sede, localizada numa das principais ruas do centro histórico de Évora, enquanto a sua equipa de futebol alternava entre as segunda e terceira divisões nacionais.

Mais recentemente, o Lusitano de Évora vendeu os terrenos do Campo Estrela a uma empresa privada e, como contrapartida, foi construído um novo complexo desportivo na periferia da cidade, que não foi concluído, local onde a seleção nacional de futebol estagiou antes do Mundial da Alemanha, em 2006.

Por estar a atravessar uma grave situação financeira, com dívidas que ascendem a quase um milhão de euros, a pior da sua história, segundo a atual direção, foi preciso suspender este ano a equipa de futebol sénior, que competia no campeonato distrital de Évora, assim como as equipas de esgrima e ténis, mantendo-se apenas o futebol de formação.

O Lusitano de Évora tem cerca de 3.200 sócios inscritos, mas apenas entre 700 a 800 pagam quotas.

O centenário do Lusitano vai ser comemorado com a edição de uma revista, uma missa por alma dos sócios falecidos e uma sessão solene, marcada para o dia 26 deste mês, no Palácio D. Manuel, em Évora, numa altura em que o futuro do clube é incerto.


A goleada do Lusitano de Évora ao Benfica por 4-0, na longínqua época de 1957/1958, ainda está “fresca” na memória de Alexandre Zapico, um dos sócios mais antigos do emblema alentejano, que assinala na sexta-feira o seu centenário.

Exibindo orgulhosamente o cartão de sócio com o número 14, Alexandre Zapico recorda à Agência Lusa que, na temporada de 1957/1958, quando o Lusitano de Évora competia na então primeira divisão, o Benfica deslocou-se ao Campo Estrela com o objetivo de ganhar o jogo, mas acabou goleado.

“Vinham todos entusiasmados em ganhar ao Lusitano e, depois, levam logo 4-0”, lembrou, referindo que um dos melhores foi o hondurenho Cardona, que fez “a cabeça em água” ao defesa benfiquista Artur: “Segurava-lhe a camisola e passava-lhe rasteiras, mas ele parecia um rato a fugir-lhe”.

Alexandre Zapico, de 89 anos e com quase 75 de sócio do Lusitano de Évora, ainda se lembra que, nesse dia, o Campo Estrela, casa do clube alentejano, encheu para ver o Benfica, onde alinhavam José Águas e Mário Coluna, entre outros.

“Vieram 130 ou 140 autocarros” e o estádio “tinha aí umas 20 mil pessoas”, refere, realçando que, quando havia jogo grande em Évora, a cidade enchia-se de adeptos e “esgotavam-se as cervejas, as laranjadas e os pastéis”.

Mas não foi só frente ao Benfica que a equipa alentejana se conseguiu impor. Alexandre Zapico diz que Sporting e Barreirense também chegaram a sair derrotados de Évora, e, quando não perdiam, viam-se “atrapalhados para conseguir um empate”.

Nessa altura, recorda, o Lusitano de Évora contava nas suas fileiras com jogadores de grande qualidade, como Vital, Falé, Pepe, Di Paola, Vale e Duarte, alguns deles até representaram Portugal nas seleções A e militar.

“No Alentejo, ninguém igualava o Lusitano”, afiança, com orgulho, Alexandre Zapico.

Mas os anos de primeira divisão duraram apenas 14 épocas. Depois, o clube “foi abaixo”, porque os lavradores e os sócios mais abastados deixaram de investir e “o Lusitano nunca mais foi o mesmo”, conta.

Nos últimos anos, Alexandre Zapico “desligou-se” do Lusitano de Évora, devido à idade e às dificuldades para se deslocar aos jogos, mas garante que continua a pagar as quotas, porque “a amizade ao clube continua”.

O lusitanista ainda gostava de ver o emblema alentejano nos patamares que o clube atingiu nas décadas de 50 e 60, mas não acredita que seja possível, porque “não há dinheiro para isso”.

“O próprio Estado não tem possibilidades e os sócios, parte deles, já não têm aquela vontade que tinham noutros tempos”, sublinha.

Hoje em dia, diz que continua a ver futebol, mas apenas na televisão, e, sobretudo, o Sporting, o outro clube do seu coração.

“Mas a ligação ao Lusitano de Évora era diferente”, assegura.
Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens populares

Direitos de Autor

APESAR DE TEREM SIDO FEITOS TODOS OS ESFORÇOS NO SENTIDO DE NÃO VIOLAR OS DIREITOS DOS DETENTORES DOS DIREITOS DE AUTOR DOS DOCUMENTOS CONSTANTES NESTE BLOGUE, PODEM TER SIDO COMETIDOS ERROS POR DESCONHECIMENTO. QUEM SE IDENTIFICAR COMO DETENTOR DOS DIREITOS DE AUTOR DE DOCUMENTOS AQUI REPRODUZIDOS E CASO SE OPONHA À SUA CONTINUAÇÃO ON-LINE, SOLICITA-SE QUE CONTACTE O ADMINISTRADOR DO BLOGUE PELO E-MAIL DE CONTACTO PELOSIROS.NA.NET@GMAIL.COM E ESSES DOCUMENTOS SERÃO IMEDIATAMENTE RETIRADOS DO BLOGUE.

Recomendamos